Notícias - Geral

Alunos desenvolvem projeto para monitorar nível do Castelhano

Publicado em 09/01/2019 às 14h54

William, Jennifer e Jean receberam prêmio de destaque na Feira de Ciências do IFSul Camaquã, no ano passadoO projeto "PlaMoNa", desenvolvido no Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul) de Venâncio Aires, tem como objetivo alertar a comunidade venâncio-airense sempre que o nível do Arroio Castelhano subir.

Segundo uma das estudantes bolsistas do projeto, Jennifer Silva, a ideia consiste no desenvolvimento de um site que monitora o nível das calhas e alerta a comunidade para possíveis cheias. 'O alvo inicial do projeto é o Arroio Castelhano, entretanto, o projeto prevê que outros alvos possam ser monitorados', explica.

A proposta prevê que pessoas da comunidade sejam cadastradas em um site e recebam um alerta por e-mail toda vez que o nível subir. 'Com isso acreditamos que a população poderá, em tempo hábil, tomar as medidas necessárias para se precaver em casos de transbordamento', comenta. A aluna explica que durante o projeto foram realizadas diversas pesquisas e com o resultado foi possível conhecer mais sobre as nascentes do arroio e outras causas da enchente. 'Algumas vezes chove apenas em Monte Alverne e a água escoa até Venâncio, o que causa alagamentos na cidade', diz. Ela relata que a ideia do projeto surgiu devido a preocupação dos moradores da região baixa da cidade, que sofrem anualmente com as cheias do arroio.

O professor Geovane Griesang orienta o projeto há três anos, mas diz que a ideia já vinha sendo desenvolvida na instituição anteriormente. A plataforma online já está disponível, porém utiliza dados fictícios. A ideia é que, com o apoio de patrocinadores, possam ser adquiridos os equipamentos para a execução do sistema. 'Enviamos um documento para a Corsan com o pedido de apoio e estamos aguardando um retorno', explica Griesang.

Segundo ele, o investimento é de cerca de R$ 33 mil para a compra de três equipamentos que fazem a medição do nível de água. 'O equipamento fará a medição do nível da água e via internet a informação será enviada ao sistema', diz. Com isso, o site será atualizado instantaneamente e os cadastrados recebem alertas em caso de cheias. 'Se o apoio financeiro não vier vamos continuar melhorando o site e aperfeiçoando o sistema', diz. O professor explica que com os equipamentos que eles já têm podem executar testes em caixas d"água, por exemplo. Devido a formatura dos atuais bolsistas, neste ano novos estudantes serão recrutados para participar deste trabalho.

 

RECONHECIMENTO

Jennifer Silva, integrante do grupo de pesquisa que se formou em Informática pelo IFSul no fim do ano passado, recebeu o título de jovem cientista na Câmara de Vereadores. Ela foi indicada pelos vereadores do PTB Clécio Espíndola, Ezequiel Stahl e Gilberto Santos em sessão solene realizada em dezembro de 2018. O projeto também foi agraciado com o prêmio destaque no eixo Ciências da Computação, na Feira de Ciências do IFSul Camaquã (Fecic) realizada em novembro do ano passado. O grupo participou da Mostra de Ciências e Tecnologias do IFSul de Charqueadas (Mocitec) e a proposta vem sendo apresentada na Mostra Venâncio-airense de Cultura e Inovação (Movaci) do campus de Venâncio Aires.

O protótipo do projeto está disponível para acesso em www.geovanegriesang.com/plamona.

 

Equipe de trabalho

O Sistema de Monitoramento do Nível de Águas foi idealizado pelos ex-alunos do Instituto, Cauê Gass e Frederico Gassen, sob a orientação dos professores Marcelo de Barros e Valmor Frantz. Mais tarde, o projeto foi retomado pelos alunos Pâmela Frantz e Ariel Campus na confecção do site, e no protótipo, Deise Santos. Em 2017 e 2018, os estudantes Jennifer Silva, Jean Ferreira e William Becker sob a orientação dos professores Geovane Griesang e Fernando Herrmann atuaram do projeto.

 

Fonte: Folha do  Mate
Créditos: Cassiane Rodrigues 

Compartilhar

Secretaria de Segurança anuncia queda no número de homicídios n

Publicado em 09/01/2019 às 14h52

No ano passado foi registrado um latrocínio em VenâncioSecretaria de Segurança Pública (SSP) divulgou queda nos índices de mortes registradas em 2018, em relação ao ano anterior no Rio Grande do Sul. Nos casos de homicídios, foram 652 mortes a menos no período [2.954 em 2017 contra 2.302 em 2018]. Mesmo assim, isso representa que uma pessoa foi assassinada no RS a cada horas. Em Venâncio Aires a redução se comprovou, pois foram registradas 11 mortes em 2017, contra dez no ano passado.

Os casos de latrocínios - matar para roubar - também registraram queda, que chega a 30% no estado. Foram 127 mortes em 2017, contra 89 em 2018 [38 vítimas a menos]. A redução nos índices de latrocínios vem desde 2016, quando aconteceram 168 casos. Em Venâncio Aires foram registrados um latrocínio em 2018 e um no ano anterior. Em 2016 não aconteceu nenhum latrocínio na Capital do Chimarrão.

Em relação aos ataques a agências bancárias houve um aumento de 20%, passando de 65 casos em 2017, contra 78 no ano passado. Nenhum dos casos aconteceu em Venâncio.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos e Foto: Alvaro Pegoraro

Compartilhar

Cooperativa Languiru apresenta projeto de expansão da avicultura

Publicado em 09/01/2019 às 14h50

Produtores tomaram conhecimento do projeto de expansão da avicultura desenvolvido pela Cooperativa LanguiruCom a vinda da Cooperativa Languiru para Venâncio Aires, a Administração Municipal solicitou alguns produtos a mais, sendo um deles, a criação de frangos de corte. Com isto, na tarde de ontem, a Secretaria Municipal de Agricultura (SMA) reuniu no auditório da Secretaria Municipal da Fazenda os produtores que se habilitaram. Na oportunidade, técnicos da cooperativa apresentaram o projeto de expansão de avicultura que a Languiru está implantando.

O secretário municipal de Agricultura André Kaufmann, explicou os critérios usados para selecionar os produtores. A seleção foi feita por região, sendo o principal que fossem produtores de tabaco e as propriedades contassem com energia elétrica trifásica. 'Pelo fato de vocês estarem aqui não significa que estão integrados ao projeto. Não. Convidamos vocês apenas para que o conhecessem', salientou, acentuando que esta foi a primeira etapa, que a segunda consiste nas visitas da cooperativa às propriedades e a terceira será a apresentação deles aos agentes financeiros para a captação dos recursos para a construção dos aviários.

A partir da aceitação dos projetos, o município participa como contrapartida, com os serviços de terraplenagem para a localização dos aviários e cada produtor terá direito a 100 horas-máquina de serviços. As demais despesas serão por conta de cada produtor. 'Queremos que entendam o projeto pois nós não queremos vender esta ideia para vocês', afirmou.

 

PANORAMA

O gerente de Fomento Beto Aurélio Markus, apresentou um panorama e setores de trabalho da Languiru como as cadeias produtivas de suínos, aves e leite, silo-secador, fábrica de rações, supermercados, agrocenters, comercialização de máquinas e implementos agrícolas, postos de combustíveis, fábrica de lacticínios, frigoríficos de aves e suínos, centros de distribuição e áreas comerciais. Salientou o porquê da cooperativa em incrementar a produção de frangos, sendo uma área que ela está projetando um crescimento com o abate na nova unidade industrial que está sendo construída no município de Westfália, previsto para ocorrer a partir de maio de 2020. Com esta unidade, vai aumentar em 35 mil o número de aves que serão abatidas por dia, que hoje está em 110 a 120 mil.

 

AVIÁRIOS

O técnico responsável pelos projetos Rodrigo Leonhardt, detalhou a construção dos galpões destinados para a criação de frangos. Ele explicou a diferença entre os convencionais e os climatizados e que estes oferecem um maior conforto térmico (calor e frio). Segundo Leonhardt, hoje praticamente todos os aviários que estão sendo construídos são climatizados. Sendo convencionais ou climatizados, a construção consiste em estruturas de ferro galvanizado ou de concreto, com vãos livres e espaço externo para o carregamento das aves.

'Selecionamos os produtores de acordo com as regiões visando não eliminar o tabaco e, sim, para agregar valor'.
ANDRÉ KAUFMANN - Secretário municipal de Agricultura.

'O negócio sempre precisa ser bom para a Languiru e para o produtor. Se for bom pra nós e ruim para vocês, ou bom para vocês e ruim para nós, não funciona'.
BETO AURÉLIO MARKUS - Gerente de Fomento da Cooperativa Languiru.

 

Saiba mais

16m x 150m - é o tamanho padrão dos aviários da Languiru.

33,6 mil - é a capacidade de alojamento de cada galpão por lote.

R$ 587.553 - é o valor inicial de construção de um galpão.

R$ 17,50 - é o custo de construção de cada frango.

R$ 0,64 - é o valor médio que o produtor recebe por frango por lote.

6,5 - é o número de lotes de frango a ser criado por ano.

30 dias - é o total de dias que um frango destinado para exportação fica alojado.

40 a 45 dias - é o total de dias que um frango destinado ao mercado interno fica alojado.

Tempo - a cada dois meses um produtor cria um lote.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos e Foto: Edemar Etges 

Compartilhar

Hospital atrasa salários de dezembro

Publicado em 09/01/2019 às 14h49

No início de 2018, casa de saúde também atrasou salários de dezembro de 2017Destaque nos últimos dias nas páginas da Folha do Mate, as finanças do Hospital São Sebastião Mártir (HSSM) voltam à pauta nesta semana. Mas, diferente das abordagens anteriores, quando destacou o valor do convênio com a Prefeitura para 2019 e a considerada 'administrável' dívida com bancos, dessa vez há uma preocupação imediata: o atraso no pagamento de salários e férias de funcionários.

Os depósitos a cerca de 500 funcionários - aqui incluídos os profissionais da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) - chegam a pouco mais de R$ 1 milhão. Eles deveriam ser feitos nesta terça-feira, 8, mas devem ocorrer, na melhor das hipóteses, apenas na sexta, 11. É o que indica um comunicado assinado pelo administrador da casa de saúde, Fernando Branco.

Segundo ele, o atraso é devido ao não pagamento dos repasses do Estado e do Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul (IPE). Juntos, os valores atrasados chegam a R$ 1,5 milhão. 'Isso está acontecendo com vários hospitais, porque Estado e IPE não estão cumprindo com o calendário. Por isso, nesse momento, não temos como honrar com a folha', lamentou Branco.

O administrador, por outro lado, se mostra otimista para a que a situação se resolva até o fim da semana. 'Estamos numa força tarefa para que até sexta esteja tudo em dia.'

 

PLANO B

Mesmo otimista em relação aos repasses atrasados, a administração do HSSM preferiu não arriscar e a situação já foi comunicada, também, à Prefeitura de Venâncio Aires. O Município seria o 'plano B' para ajudar com a conta e, se de fato tiver que dar auxílio, será antecipando a parcela dos serviços de janeiro. Assim, pela renovação do contrato assinado na última semana, seria algo em torno de R$ 664 mil. 'Já comunicamos a Prefeitura e provavelmente precisaremos dessa antecipação', destacou Fernando Branco.

Uma terceira alternativa, por enquanto, foi rechaçada pelo administrador. Assim, o plano C de recorrer a empréstimos não é cogitada.

 

SINDICATO

A expectativa do pagamento para o dia 11 não tem garantias. Ainda assim, o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Santa Cruz do Sul e Região prefere, neste primeiro momento, depositar as fichas no que foi apalavrado.

O presidente do Sindisaúde, José Carlos Haas, diz que espera pelo cumprimento do pagamento dos salários. 'Isso deixa todo mundo chateado e é muito desagradável para os funcionários. Esperamos que seja cumprido até o fim de semana. De qualquer forma, com o Judiciário em recesso, nem adianta encaminhar nada. Então vamos confiar que tudo se resolva até sexta.'

 

ATRASOS

Segundo o administrador do HSSM, Fernando Branco, o Estado deve cerca de R$ 1 milhão (dívida referente a outubro, novembro e dezembro de 2018) e o IPE deve em torno de R$ 500 mil (referente a novembro e dezembro).

Mensalmente, o Estado deveria repassar cerca de R$ 330 mil e o IPE, R$ 250 mil. União e Prefeitura estão em dia com seus repasses ao hospital.

No dia 4 de janeiro, a matéria da Folha 'Plano financeiro quer recuperar dívida de R$ 10 milhões' destacava que salários, atendimentos, impostos e fornecedores estavam 'em dia'. Com a diferença, agora, dos salários, Fernando Branco reafirmou que todo o restante está devidamente atualizado.

Em janeiro de 2018, o HSSM viveu situação semelhante. Com isso, os salários de dezembro de 2017 foram depositados em duas vezes. A quitação foi possível após antecipação da parcela do convênio com a Prefeitura.

 

'Se houver viabilidade, apoiaremos'

Abertamente apontada como principal 'fiadora' de recursos, a Prefeitura de Venâncio Aires afirmou que, se preciso, ajudará, como aconteceu em 2018. Segundo o secretário de Saúde, Ramon Schwengber, o Município ainda está nos dias de contabilização e fechamento de 2018, por isso ele solicitou uma análise financeira do Fundo Municipal de Saúde.

Conforme Schwengber, houve reuniões com as equipes da Secretaria da Fazenda, Procuradoria Jurídica e Controle Interno nesta terça, para analisar a viabilidade em ajudar o hospital. 'Ainda não encerramos o exercício do ano passado, estamos pagando vários fornecedores, tais como Samu e UPA. Para concluir a análise e dar um retorno ao hospital, precisamos concluir este trabalho, o que deve ocorrer até quarta [hoje].'

O secretário disse ainda que estão todo preocupados com a situação da casa de saúde, especialmente pelos funcionários. 'Se houver viabilidade, com certeza apoiaremos, como já fizemos anteriormente.'

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos: Débora Kist
Foto: Alvaro Pegoraro 

Compartilhar

Potencial de Venâncio aos olhos sul-coreanos

Publicado em 09/01/2019 às 14h47

Prefeito Giovane Wickert recepcionou o presidente da Câmara de Comércio, Eduardo Komatsu e o CEO da empresa Braxko, Young KimDepois de Venâncio Aires participar de uma missão na Coreia do Sul, em agosto de 2017, ontem foi a vez da Capital do Chimarrão receber representantes do país asiático. Dois representantes da Câmara de Comércio da União das Cidades Brasileiras na Coreia do Sul cumpriram uma intensa agenda no município. As visitas buscaram estreitar laços entre brasileiros e sul-coreanos e para o prefeito Giovane Wickert, elas podem render futuras parcerias, tanto institucionais, quanto empresariais. "É oportunidade de mostrar o nosso potencial econômico e os projetos que estamos apostando e liderando", frisou.

Logo no começo da manhã desta terça-feira, 8, o presidente da Câmara de Comércio, Eduardo Komatsu e o CEO da empresa coreana Braxko, Young Kim tiveram um encontro institucional com a Administração Municipal, liderada pelo prefeito e acompanhada pelo vice, secretários e vereadores. Depois, o grupo seguiu um roteiro de visitas que buscou passar "a primeira impressão" da capacidade produtiva, tecnológica e industrial de Venâncio. A agenda contemplou o Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul), Distrito Industrial, uma passagem pela Unisc Venâncio e uma visita na área da antiga Fundação Ambiental de Venâncio Aires (Favan), em Linha Ponte Queimada, onde será construído o Centro Vocacional Tecnológico (CVT) da Proteína, o primeiro do Rio Grande do Sul e também onde ocorrerá o projeto da Incubadora Tecnológica.

A agenda da tarde seguiu para a cidade vizinha, Santa Cruz do Sul, no Centro Regional de Especialidades Médicas do Consórcio Intermunicipal de Serviços do Vale do Rio Pardo (Cisvale) e também no campus da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc).

Na presença de representantes do Cisvale foi assinado um termo de cooperação que, segundo Wickert, firma parceria para que os municípios abrangidos pelo Consórcio e empresários da região possam encaminhar futuras negociações, inclusive, voltadas à exportação e importação. "Todas as visitas focaram a indústria, pesquisa, educação e desenvolvimento de projetos", observa o prefeito de Venâncio.

Na Capital do Chimarrão, segundo o chefe do Executivo, os sul-coreanos pontuaram a localização estratégica do município no estado e os dados socioeconômicos apresentados pela Administração, especialmente os relacionados com a mão de obra, qualidade de vida e segurança. "Estamos semeando uma relação que pode render, no futuro, bons frutos. Podemos ampliar este diálogo."

São possibilidades de parcerias e negócios que surgem. Fizemos nossa parte e mostramos nosso potencial econômico." 
GIOVANE WICKERT - Prefeito de Venâncio Aires

 

LIXO

Perguntado sobre a possibilidade dos prefeitos da região encaminharem algum projeto coletivo de recolhimento de lixo, como foi comentado na época da missão brasileira na Coreia do Sul, Wickert destacou que esta proposta não está descartada, mas depende da legislação, que é diferente entre nos dois países. "Também depende do resultado do Plano Regional de Resíduos que o Cisvale está fazendo e conclui em 2019", destaca.

 

AGENDA SEGUE

Hoje a agenda da missão sul-coreana segue com visitas previstas para ocorrer na usina de triagem de lixo, em Linha Estrela, no Senai e, se o tempo permitir, na usina solar recentemente inaugurada, que pertence à família Schuh. O objetivo, segundo o chefe do Executivo Municipal, é mostrar aos visitantes exemplos de trabalhos voltados à sustentabilidade e os projetos que envolvem ciência e tecnologia. "Quando estive na Coreia do Sul, em 2017, representando o Cisvale, o que vimos foi um enorme potencial de energia renovável e investimentos em destino final dos resíduos. São áreas de interesse deles e que eu e o empresário venâncio-airense, Dieter Knak, vimos de perto", relembra.

Segundo Wickert, a agenda da missão no Brasil passou, antes de chegar ao Rio Grande do Sul, no Maranhão e também em Piracicaba, município paulista que vem tendo forte presença coreana desde a inauguração da montadora Hyundai, no ano de 2012.

Os representantes da Câmara de Comércio devem retornar ao Brasil entre abril, com a possibilidade de firmar parcerias.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos: Letícia Wacholz
Foto: Adriene Antunes

Compartilhar

Eduardo Kappel quer retomar sessões interiorizadas

Publicado em 09/01/2019 às 14h45

Eduardo Kappel comanda a primeira sessão ordinária no dia 4 de fevereiroA Câmara de Vereadores de Venâncio Aires voltará a ter encontros no interior do município. A meta foi apresentada pelo recém-eleito presidente do legislativo local, Eduardo Kappel (Progressistas). Ele projeta pelo menos oito encontros descentralizados, para oportunizar uma sessão em cada distrito. 'Quero ser um presidente atuante e verdadeiramente envolvido com os temas da nossa cidade e também interior', informa Kappel.

Ao mesmo tempo destaca que nesses encontros, mais do que aproximar a Câmara de Vereadores, também da comunidade do interior, será possível receber as reivindicações dos distritos. A caravana também deve ser integrada pela Administração Municipal. 'Quero levar as principais secretarias, como Obras, Agricultura, Saúde e Desenvolvimento Social, para que a reivindicações possam também ser balizadas pelos integrantes do Executivo. É evidente que nem todas as reivindicações poderão ser atendidas', ressalta.

A partir dos encontros, segundo Kappel, será possível também fiscalizar trabalhos diversos do Executivo, como manutenção das estradas e assistência técnica aos produtores rurais. A últimas sessões interiorizadas foram realizadas em 2009 quando Adelânio Ruppenthal, então no MDB e atualmente no PSB, era o presidente. Em 2014, durante a presidência de José Cândido Faleiro Neto foram realizados apenas reuniões no interior, sem deliberações.

 

Presidente é contra a compra de terreno nos fundos da Câmara de Vereadores

Um terreno, localizado nos fundos do Legislativo e há pelo menos cinco anos está em tratativas para ser adquirido pela Câmara. Uma das justificativas para a aquisição da área, que possui saída para a avenida Ruperti Filho, é de que ele pode ser utilizado como estacionamento pelos parlamentares e futuramente comportar as ampliações da Casa do Povo. 'Enquanto presidente não é intenção desfazer o negócio, mas sou contra que seja utilizado pura e simplesmente como estacionamento. Defendo a finalização da compra, para na sequência ser, por exemplo, leiloado. Em tempos de crise esse tipo de gasto é inaceitável', disse o presidente.

O projeto, que está em pauta desde 2013, teve apoio de presidentes da época como José Ademar Melchior, o Zecão (MDB), Ana Cláudia do Amaral Teixeira (PDT), José Cândido Faleiro Neto (PT), e mais recentemente de Sandra Wagner (PSB). A aquisição, feita a partir de decreto de desapropriação, chegou a ser suspensa por conta de cortes orçamentários, mas retomada no ano passado. O dinheiro está em depósito judicial.

Kappel defende que esse valor destinado para a aquisição do terreno, estimado atualmente em R$ 300 mil poderia ser utilizado na aquisição de um rolo compactador de grande porte ou na diminuição das filas de espera voltadas para as cirurgias eletivas.

 

Retomada dos trabalhos

A primeira sessão do ano será no dia 4 de fevereiro. Até o momento não existe previsão para convocação dos vereadores para uma sessão extraordinária. Neste ano é a primeira vez que os parlamentares desfrutam de apenas 30 dias de recesso. Anteriormente eram 45 dias. A iniciativa para diminuir as 'férias' foi do atual presidente.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos e Foto: Cristiano Wildner

Compartilhar

Candidatas a rainha do Carnaval Municipal serão conhecidas dia 17

Publicado em 09/01/2019 às 14h44

Karina e Jaqueline integram a comissão de organização do concursoA "temporada" de escolha das cortes do Carnaval, tanto da cidade, quanto do interior, está aberta. No dia 17 ocorrerá o lançamento do baile de escolha da rainha e princesas do Carnaval Municipal e a apresentação das candidatas.

Ao todo, oito jovens disputarão as coroas, representando escolas de samba do município. Segundo a vice-presidente da Liga das Escolas de Samba de Venâncio Aires, Jaqueline Gonçalves dos Santos, o evento de lançamento, em parceria com a Prefeitura, ocorrerá no Bar Barão & Prosa, a partir das 19h30min, em evento aberto à comunidade.

Já a escolha da corte está agendada para 9 de fevereiro, no ginásio Santa Rita de Cássia, e promete novidades. De acordo com Jaqueline, o evento de escolha será inspirado na temática "Das Origens do Carnaval à Paixão e Tradição da Terra do Chimarrão". O tema, segundo Karina Lopes, que integra a comissão organizadora, parte de uma pesquisa realizada pela mãe dela - a historiadora Clara Lopes - e resgata a origem do Carnaval, a chegada dos primeiros imigrantes até a formação atual da população de Venâncio Aires.

Para o desenvolvimento desta temática foram convidadas oito pessoas da comunidade, diretamente envolvidas na cultura local e cada uma representará uma origem ou etnia. A vice-presidente da Liga explica que no dia 17 será realizado um sorteio entre as candidatas e no dia da escolha elas farão uma apresentação cultural para os jurados, usando um objeto ou símbolo que os representantes destas culturas indicou.

A atual corte é formada pela rainha Thaís Acosta e pelas princesas Sandriele da Silva Soares Hammes e Évelin Fabiane Pacheco Heller.

Todas as candidatas usarão o mesmo figurino no dia da escolha da corte, programada para 9 de fevereiro, no ginásio Santa Rita de Cássia, no bairro Gressler.

 

Representantes das culturas

Alemã: Jairo Bencke
Italiana: Joice Battisti Gassen
Indígena: Rodrigo Baracy
Árabe: Claudia Hamid
Negra: Sérgio Rosa
Japonesa: Mitsuo Okajima
Portuguesa: Carla Inês Schwaickhardt
Senegalesa: Cherif Toure

 

Datas:

26 de janeiro - escolha da corte do Carnaval Adulto do Interior
3 de fevereiro - escolha da corte do Carnaval Infantil do Interior
9 de fevereiro - escolha da corte do Carnaval Municipal

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos: Letícia Wacholz 
Foto: Alvaro Pegoraro

Compartilhar

Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 8 milhões nesta quarta-feira

Publicado em 09/01/2019 às 14h42

A Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira, 9, o prêmio de R$ 8 milhões do concurso 2.113, que será realizado a partir das 20h no espaço Loterias Caixa, no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo. 

Segundo a Caixa, o valor do prêmio, aplicado na poupança, pode render mais de R$ 29 mil mensais. O dinheiro também é suficiente para comprar uma frota de 50 carros de luxo. 

As apostas podem ser feitas até as 19h em qualquer casa lotérica credenciada pela Caixa em todo o país. A aposta simples, com seis dezenas, custa R$ 3,50.

 

Fonte: Rádio Terra FM
Créditos: Agência Brasil
Foto: Wilson Dias

Compartilhar

Piti e seus 'donos de estimação'

Publicado em 08/01/2019 às 17h49

Piti é o xodó dos irmãos Kaiky e KarolyQuando os Motta construíram sua casa e a cercaram com muros e grades, foi pensando na segurança, claro. Mas também foi almejando, um dia, ter um cachorrinho correndo solto pelo pátio. Hoje eles têm isso, mas o cãozinho em questão prefere ficar solto, também, num ambiente maior: as ruas do bairro.

E foi das ruas de Venâncio Aires, de algum lugar até hoje ignorado, que o Piti apareceu. Deu as caras no dia 28 de novembro de 2016, no fim da festa de aniversário de 5 anos do Kaiky, o primogênito da Camila e do Mikael. 'Fui eu quem chamou ele pra dentro e fechei o portão', conta o menino.

Dócil, o bichinho logo se enturmou e até ganhou uns pasteizinhos da festa de aniversário. Esse foi o começo. 'Lembro que fiz uma publicação no Facebook, pra ver se era de alguém, se alguém conhecia, mas nada. Então ele foi ficando', lembra Camila.

De porte médio e cor preta, o Piti tem a idade ignorada, mas os Motta acreditam que ele tenha chegado ainda novinho, em especial por uma atitude um tanto quanto infantil e característica de alguns filhotes: mastigar o que vê pela frente. 'Ele destruiu, no mínimo, uns seis pares de chinelos', contabiliza Mikael.

Sobre o nome recebido, foi uma alusão a 'Pit Bitoca', personagem do humorista Heitor Martins, o qual fez sucesso ao lado de Tom Cavalcante em um programa de humor no início dos anos 2000. 'Ele ficou me lambendo sem parar', lembra, entre risos, Kaiky. Assim, as lambidas, ou as bitocas caninas, transformaram o cão forasteiro em Piti.

 

DONO DE SI

Embora tenha casinha, comida e conforto do bom e melhor, Piti não nega sua raiz 'andante'. Quando a família está em casa, ele até faz uma média e não sai de perto das crianças. Mas, quando os Motta saem, ele não fica sozinho. Liso e rasteiro, o cachorro se esgueira por baixo do portão e toma a rua.

Piti não vai longe, no máximo algumas quadras de distância no bairro mesmo. E, próximo do meio-dia e nos fins de tarde, fica 'de plantão' na última esquina antes da residência, à espera do carro dos donos. Assim que os avista, dispara, faceiro para voltar para casa. 'Ele é muito independente. Acho que nós somos os donos de estimação dele. Foi o Piti quem nos adotou', define Camila.

 

CIÚMES?

Dono de si e bichinho único durante dois anos, Piti já não reina mais em absoluto na casa. Recentemente, Kaiky e a irmã, Karoly, de 4 anos, ganharam um presente: um casal de hamster, batizado de Mickey e Minnie.

Obrigado a dividir a atenção das crianças com os novos animaizinhos, o cachorro tem convivido com uma situação nova. 'Ele chega a choramingar quando vê as crianças perto e quer entrar dentro de casa, coisa que ele não faz. É puro ciúme!', entrega Camila.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos e Foto: Débora Kist

Compartilhar

Emei Osmar Puthin recebe crianças no Programa de Férias

Publicado em 08/01/2019 às 17h46

Ao longo do mês, brincar é a palavra de ordem na escola, que recebe alunos das 12 Emeis de Venâncio AiresA Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Osmar Armindo Puthin, no bairro Cruzeiro, é o endereço para 134 crianças, ao longo deste mês. Desde a quarta-feira da semana passada até 31 de janeiro, alunos cujos pais estão trabalhando, durante as férias coletivas das Emeis, participam do Programa de Férias. A iniciativa da Administração Municipal é realizada pelo segundo ano, em Venâncio Aires.

Diretora da escola durante o Programa de Férias, no turno da tarde, Luci Diane Posselt explica que, a maioria das crianças chegou à Emei ontem e a expectativa é de que até amanhã todos os inscritos já estejam participando do projeto. 'Em torno de 90% das crianças já estão aqui. São alunos de todas as 12 Emeis de Venâncio', comenta.

Para garantir o atendimento no mesmo horário que as escolas funcionam durante todo o ano - de segunda a sexta-feira, das 6h30min às 16h30min -, uma equipe de 56 profissionais, além dos diretores, atua na instituição.

A exemplo dos alunos, vindos de diferentes estabelecimentos de ensino, servidores de diferentes escolas integram a equipe de trabalho na Emei Osmar Puthin, ao longo de janeiro. 'São monitores e agentes escolares que trabalham para oferecer as atividades recreativas, as refeições para as crianças e realizar a limpeza da escola', explica Luci.

Ela ressalta que, durante o Programa de Férias, todas as atividades são recreativas. 'São brincadeiras na pracinha, brincadeiras de roda, contação de histórias, tudo o que é lazer, para que eles possam brincar e realmente estar de férias', enfatiza.

A diretora explica que as duas únicas rotinas do ano letivo mantidas são 'a hora do soninho' e a alimentação. Ao todo, são cinco refeições ao longo do dia: café da manhã, lanche, almoço e dois lanches à tarde.

 

Adaptação

Considerado uma alternativa às famílias que não têm com quem deixar os filhos, no período em que as Emeis estão fechadas, o Programa de Férias reúne crianças de diferentes escolas, em um local desconhecido para a maioria e com profissionais aos quais não estão acostumadas, o que exige um tempo de adaptação.

A monitora de educação infantil Marciele Pedroso, que atua pela primeira vez do programa, afirma que o afeto é a principal ferramenta para facilitar a adequação e tornar o momento agradável para as crianças. 'Algumas ficam encabulados, sentem falta dos pais, mas buscamos compensar com carinho, dando um colinho a elas e deixando que escolham os brinquedos e fiquem à vontade', diz.

 

Direito a férias

Para que os filhos participem do Programa de Férias, os pais precisam assinar um termo de responsabilidade, no qual informam que não podem tirar férias no mesmo período e se comprometem a oportunizar o período de 30 dias de descanso ao menor, quando desfrutar das suas férias. 

A medida busca garantir que seja cumprido o direito de convivência familiar e lazer, estabelecido no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Famílias que não respeitarem o período de férias do aluno, ao longo do ano, perdem o direito de frequentar o Programa de Férias no ano seguinte.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos: Juliana Bencke 
Foto: Rosana Wessling 

Compartilhar

left show fwB tsN|left tsN fwB|left show tsN fwR|c05||skype_c2c_logo_img|news login uppercase c05 b01 bsd|fsN uppercase c05 fwB sbss|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news uppercase b01 bsd fsN tsN fwB c15|tsN fwR uppercase c05|fwR c05 uppercase|content-inner c05||