Notícias - Geral

Prefeitura de Venâncio Aires abre processo seletivo para contratação de motorista

Publicado em 07/01/2019 às 17h09

A Prefeitura de Venâncio Aires abriu nesta segunda-feira, 07, o período de inscrições para o processo seletivo público simplificado para a contratação de motorista (Categoria D – transporte de passageiros). As inscrições podem ser realizadas no setor de protocolos da sede administrativa, das 8h às 12h e das 13h30min até as 16h30min.

A taxa de inscrição tem o custo de R$ 25,00. A carga horária para o cargo é de 40 horas semanais e o salário é de R$ 1.948,97. A prova de seleção é baseada em títulos e prática. As inscrições para o concurso encerram no dia 11 de janeiro.

 

Fonte: Olá Jornal 

Compartilhar

Venâncio Aires - Festeiros da Fenachim participam de evento em Linha Andréas

Publicado em 07/01/2019 às 17h01

Venâncio Aires (RS) – A divulgação da 15ª Festa Nacional do Chimarrão (Fenachim), que ocorre de 1 a 5 e de 9 a 12 de maio de 2019, segue em ritmo acelerado pelo interior do município. A ideia, conforme a presidente Cleiva Giovanaz Heck, é aproximar cada vez mais a comunidade do seu maior evento. “Será uma grande festa popular, com a integração do centro, do interior e de toda a região dos Vales”, destaca. Na noite do último sábado, 5, os festeiros da Fenachim participaram do Baile de Aniversário de 127 anos da Sociedade de Leitura, Canto e Jovialidade de Linha Andréas, interior do município.

Acompanhados pela presidente e recepcionados pelos casais Márcio e Eara Henckes e Enzo e Iolândia Schmitt, de Linha Andréas, os casais participaram de um jantar, seguido da reunião de organização das atividades para a Fenachim. O encontro culminou como o baile animado pela banda Os Hermanos, com os casais de festeiros iniciando a dança e a presidente fazendo o convite oficial para que a comunidade prestigie a 15ª Fenachim.

Definições - A partir deste mês de janeiro, o grupo vai prestigiar a agenda de festas em todos os distritos do município e região. O próximo compromisso oficial é a 143ª Festa de São Sebastião Mártir, padroeiro do município. “Todos os casais foram empossados como representantes oficiais da Fenachim em todos os eventos que prestigiarem”, enfatiza a presidente. Durante a reunião,  ficou definida a data de 11 de maio para o Encontro Municipal e Regional dos Festeiros da 15ª Fenachim, das 10 às 17 horas, no Parque Municipal do Chimarrão. “Neste dia, o almoço será com o prato típico do município, a galinhada, e acesso gratuito ao parque para todos os festeiros que participarem uniformizados do evento”, completa Cleiva.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa da 15ª Fenachim

Compartilhar

Encontro de músicos e amigos estão entre as atrações do Bastião

Publicado em 07/01/2019 às 09h11

Polonese pelas areias da praia está entre as atraçõesApós a 143ª Festa de São Sebastião Mártir, que ocorrerá entre os dias 18 e 20 de janeiro, no sábado seguinte, dia 26, as atenções se voltarão para o encontro das famílias de Venâncio Aires nas areias de Capão da Canoa, por ocasião dos festejos do Bastião na Praia. Estão à frente da organização os casais Diogo e Luíza Henkes, Jeferson Schwingel (popular GP) e Ana Paula Seitenfus, e, Soni Rüdiger Junior e Rozana Reckziegel.

Segundo um dos festeiros Jeferson Schwingel, algumas atrações já está confirmadas, como a tradicional polonese pelas areias de Capão, o almoço das famílias para o qual as equipes de assadores já estão confirmadas, além do músico Elton Schuch, que há anos é o responsável pela animação. 'Algumas parcerias musicais estão sendo afinadas para o dia e estamos no aguardo da confirmação de mais alguns músicos que foram convidados', frisa. Ele acrescenta que um grupo de 50 pessoas entre eles, músicos e amigos, lotarão um ônibus que sairá no dia 26 de Venâncio.

Na próxima terça-feira, 8, os casais festeiros e irão se reunir para definir os últimos detalhes e atrações do Bastião na Praia. 'Mas, com certeza, será uma festa legal com os venâncio-airenses na praia de Capão da Canoa. Esperamos a todos', convida Schwingel.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos e Foto: Edemar Etges

Compartilhar

Município contemplado com R$ 250 mil para o PAA 2019

Publicado em 07/01/2019 às 09h09

Famílias a serem beneficiadas em 2019 serão selecionadas pela Secretaria de Desenvolvimento SocialNa quarta-feira, 2, o Governo Federal publicou no Diário Oficial da União (DOU) o valor que o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), repassará, em 2019, para Venâncio Aires. São R$ 250 mil que beneficiarão agricultores e agroindústrias familiares e entidades assistenciais do município.

O valor é R$ 50 mil inferior ao programa de 2018, quando o recurso somou R$ 300 mil.
Este será o sétimo ano de desenvolvimento do PAA em Venâncio Aires. O programa é uma parceria das secretarias municipal de Agricultura e de Habitação e Desenvolvimento Social, escritório municipal da Emater/RS e Cooperativa dos Produtores de Venâncio Aires (Cooprova) e deverá atender 39 produtores rurais, dos quais, 40% a 45% deverão ser orgânicos e ainda, incentivará mulheres como público prioritário.

Segundo o secretário municipal de Agricultura, André Kaufmann, os produtores serão os mesmos que produziram e forneceram alimentos para o PAA em 2018 e as famílias a serem beneficiadas serão selecionadas pela Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Social. Ainda não está definida a data de início do programa. O secretário acredita que a distribuição ocorrerá entre o fim do mês de fevereiro e início de março.

 

CADEIA PRODUTIVA

Kaufmann salienta que o programa será trabalhado em 2019 obedecendo as parcerias com o escritório municipal da Emater e Cooperativa dos Produtores de Venâncio Aires (Cooprova). A cooperativa, segundo o secretário, tem o papel de organizar as duas cadeias - as famílias que vão produzir os alimentos e aquelas que serão beneficiadas. 'A Cooprova une as duas pontas', frisa. Kaufmann acentua a Emater/RS-Ascar qualifica os produtores e a municipalidade, incentiva algumas ações, como a distribuição de calcário, e propicia visibilidade ao produtor com a promoção de feiras e outros eventos. 

A partir da implantação do programa, o secretário salienta que a ideia do governo municipal é melhorar e qualificar mais esta cadeia produtiva e buscar novos mercados, o que inclui trabalhar o PAA em outros municípios. 'A cadeia produtiva está pronta e organizada. Apenas precisamos escoar a produção e o PAA é uma destas ferramentas. Não criar novos produtos e sim, melhorar a qualidade dos alimentos que já existem', observa.

 

DIVERSIFICAÇÃO

O secretário salienta ainda que muito se fala em diversificar, porém, o município, segundo ele, já é bastante diversificado. 'Precisamos qualificar esta diversificação e fazer com que o produtor ganhe mais dinheiro. A diversificação, muitas vezes, não significa mais qualidade', frisa. Ele acrescenta que na maioria das vezes, se produz menos do que é a média e o objetivo da municipalidade é melhorar ainda mais a produção. 'Onde se produz uma determinada quantidade, a gente sabe que pode melhorar a produção, não somente com o uso maior de defensivos agrícolas e insumos, e sim, com a melhorara no manejo.'

'A cadeia produtiva está pronta e organizada. Apenas precisamos escoar a produção e o PAA é uma destas ferramentas.'
ANDRÉ KAUFMANN - Secretário municipal de Agricultura

 

SAIBA MAIS

10 foi o número de entidades assistenciais atendias pelo PAA em 2018.

600 nfoi o número de famílias atendidas em forma de cesta básica.

R$ 6,5 mil foi o limite de valor que cada produtor rural pode vender ao programa em 2018.

 

Recurso

Recursos aplicados nas compras de alimentos nos últimos anos, aos agricultores familiares de Venâncio Aires.

Ano - Valor R$

2013 - R$ 315 mil 
2014 - R$ 466.145,90
2015 - R$ 466.145,90
2016 - R$ 326.302,13
2017 - R$ 326.302,13
2018 - R$ 300 mil

Total - R$ 2.199.896,06

Ano 2019 - Publicado Diário Oficial União - R$ 250 mil

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos e Foto: Edemar Etges 

Compartilhar

Venâncio pode receber nova ambulância do Samu

Publicado em 07/01/2019 às 09h08

Veículo de Suporte Avançado completou cinco anos de uso em julho de 2018Parece que foi ontem, mas o tempo passou rápido e faz mais de cinco anos que a ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) Avançado começou os atendimentos em Venâncio Aires. Essa meia década de uso é considerada 'perecível' para o Ministério da Saúde e, por isso, uma renovação na frota em todo Brasil deve ocorrer nos próximos meses.

Por uma portaria publicada em dezembro passado, Venâncio Aires aparece na lista de estados e municípios elegíveis para o processo de doação de unidades. 'Doação' porque o município não será o comprador e os veículos serão repassados pelo Governo Federal, segundo informou o secretário de Saúde de Venâncio, Ramon Schwengber.

De acordo com informações da auxiliar administrativo da Secretaria de Saúde, Rosangela Ellert, em 2018 foi solicitada a habilitação do município para fazer a troca da unidade de Suporte Avançado. 'A publicação da portaria torna pública a lista de municípios que são elegíveis. Já foi feita a licitação por parte do Ministério [da Saúde] e, conforme a empresa vencedora for entregando, será pela ordem cronológica de uso dos veículos.'

O Samu Suporte Básico começou a atender em Venâncio Aires em dezembro de 2010. Essa primeira ambulância foi substituída em janeiro de 2016. Já o veículo do Samu Avançado, que deve ser trocado conforme a portaria do Ministério da Saúde, completou cinco anos em julho de 2013.

 

O QUE DIZ A PORTARIA

A portaria foi publicada dia 27 de dezembro de 2018 e selecionou 320 municípios brasileiros que estão incluídos no processo de doação. Do Rio Grande do Sul, são 30 cidades.

Pela normativa, a entrega das ambulâncias será realizada exclusivamente para renovação de frota de veículos cadastrados no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES) e habilitados com cinco ou mais anos de uso e sem renovação.

Será utilizado o critério de idade da frota, em anos, conforme o ano de habilitação do veículo para início da contagem do tempo de utilização. O texto diz ainda que o veículo renovado deverá ser destinado prioritariamente a suprir a necessidade de reserva técnica, que é 30% da frota habilitada.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos: Débora Kist 
Foto: Alvaro Pegoraro

Compartilhar

Morangos e hortaliças abrem caminho para diversificação na agricultura

Publicado em 07/01/2019 às 09h06

Em 2017, Rosilei e Valdemar tiveram produção de dois mil quilos de morangos, vendidos para estabelecimentos comerciais e diretamente aos consumidoresFoi pela determinação de Rosilei Machado Kolberg, que a família de Linha Bem Feita iniciou a diversificação de culturas. O processo começou há cerca de 7 anos, quando ela decidiu abandonar o tabaco e apostou no cultivo de morangos.

O marido Valdemar João Kolberg custou a acreditar que produção diferente daquela que conhecia desde a infância poderia garantir o sustento do casal e dos filhos Leonardo e Renan. Com o suporte técnico e o apoio da Emater/RS-Ascar, Rosilei insistiu. 'Hoje, posso garantir: nunca é tarde para diversificar', ressalta Kolberg.

Menos de 10 anos depois de serem Casal Fumicultor Modelo de Linha Bem Feita, Valdemar e Rosilei, que chegavam a plantar 70 mil pé de tabaco, por safra, abandonaram totalmente a cultura. Atualmente, são três mil pés de morangos, em estufa, que produzem o ano todo.

A partir da produção de moranguinhos, e por demanda dos consumidores, a família também investiu em hortaliças. Atualmente, são quase 20 tipos, que abastecem mercados e restaurantes, além de programas governamentais. Para o casal, além da possibilidade de utilizar apenas mão de obra familiar, a principal mudança com a diversificação de culturas está na qualidade de vida. 'Tanto nos morangos quanto nas verduras, trabalhamos totalmente sem veneno', enfatiza Rosilei.

>> 6 mil famílias venâncio-airenses vivem exclusivamente de renda obtida da agricultura, conforme estimativa da Emater/RS-Ascar.

 

Agricultura familiar: uma marca do município

A agricultura familiar está no DNA de Venâncio Aires e na base da economia do setor primário. Ao todo, são mais de 7,8 mil famílias que residem no meio rural, das quais mais de 95% são agricultores familiares.

Nessas propriedades, os rendimentos anuais oriundos do trabalho no campo variam entre R$ 20 mil e R$ 450 mil, e a renda agrícola corresponde a, pelo menos, metade dos recursos da família. Entre as características desses agricultores estão, ainda, a mão de obra prioritariamente familiar.

Do cultivo do tabaco à produção de hortaliças e à criação gado de corte e leite, produtores rurais garantem a consolidação do setor primário. Para o prefeito Giovane Wickert, embora Venâncio Aires tenha a cultura do tabaco como carro-chefe na agricultura, outros setores se destacam, como o de proteína animal, aipim, feijão, soja, arroz e leite, além do segmento de hortifrutigranjeiros, e têm papel importante no cenário econômico, ao propor a diversificação.

Para ele, essa diversidade promove um equilíbrio positivo no setor primário - benéfico tanto para as famílias produtoras quanto para toda a economia da cidade. 'Poucos municípios acima de 20 mil habitantes têm mais de um terço na população na área rural, como Venâncio Aires. Ter equilíbrio em vários setores, sem se basear em apenas um produto, é muito positivo.'

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos e Foto: Juliana Bencke

Compartilhar

Casal de Linha Mangueirão inova com produção de tomate

Publicado em 07/01/2019 às 09h05

De olho no mercado, Ana Caroline e Vinícius investem no cultivo de tomate grape e paulistaQuando decidiram deixar o emprego na cidade para voltar ao interior e se dedicar à agricultura, Vinícius da Silva Fagundes e Ana Caroline da Silva Fagundes tinham certeza de que optariam por algo diferente do tabaco, tradicionalmente cultivado por suas famílias.

A escolha do casal, morador de Linha Mangueirão, foi pelo tomate, cultura ainda pouco representativa em Venâncio Aires e com mercado promissor. 'Nos dois anos em que estamos produzindo, nunca conseguimos suprir a demanda. Sempre tem procura', afirma Fagundes. Além da venda para um distribuidor de Lajeado, a comercialização é realizada em feiras da Cooperativa de Produtores de Venâncio Aires (Cooprova).

Com três estufas para o cultivo de tomate grape e paulista, a família espera chegar, em breve, a 3,3 mil pés, com uma expectativa de superar cem quilos do fruto por pé, a cada safra. O maior desafio, até então, tem sido garantir suporte e conhecimento técnico para combater pragas, melhorar a produção e reduzir o uso de agrotóxicos. 'Começamos plantando em vaso e agora estamos produzindo no chão, assim, os nutrientes se fixam mais e a produção é maior', explica Fagundes.

 

Variedade em frutas, verduras e legumes, em Venâncio Aires

Principal meio de diversificação de culturas, o setor de hortifrutigranjeiros tem se consolidado como segmento importante do setor primário de Venâncio Aires. Em 2017, foram mais de R$ 7,1 milhões em venda, por meio de bloco de produtor, conforme dados da Emater/RS-Ascar. 

Em 10 anos, a participação do segmento no total de vendas da agricultura, passou de 0,58% para 2,96%. Entre as culturas, além do aipim, destacam-se moranga cabotiá, couve flor, brócolis, repolho, alface, raízes como beterraba, rabanete, batata doce e cenoura, pimentão e pepino.

A produção em estufas, com sistema de irrigação controlada associado à adubação, tem sido comum em atividades como pepino, tomate e morango. A técnica de cultivo em caixas ou slabs - sacos plásticos com substrato - evita problemas radiculares, garante ergonomia ao trabalho e colheita ao longo de todo o ano. No morango, são 29 produtores e 75% da produção já ocorre fora do solo.

Com a comercialização voltada a feiras, supermercados e agroindústrias locais, agricultores têm seguido a tendência de produção sem agrotóxicos, com o objetivo de fornecer alimentos seguros e de qualidade. 

A venda para Centrais de Abastecimento do Rio Grande do Sul (Ceasa), em Porto Alegre, também representa uma parcela significativa no setor hortifrutigranjeiro. Ao todo, são 54 famílias de ceaseiros, das quais 28 realizaram a comercialização, em 2018.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos e Foto: Juliana Bencke

Compartilhar

Primeiro passo da reforma na Praça da Matriz é a alteração da parada

Publicado em 07/01/2019 às 09h03

Parada foi desmanchada nesta semana, mas deve ser erguida nos próximos diasOs usuários da parada de ônibus da rua Tiradentes, na esquina com a General Osório, foram pegos de surpresa no fim da semana: a parada foi removida do local. Essa mudança está acontecendo devido à revitalização da Praça Coronel Thomaz Pereira e a previsão é de que a parada seja montada, novamente, nas próximas semanas. 

Com o início das obras, a mudança no ponto foi necessária, pois, segundo a assessora administrativa de secretaria municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, Simone Becker Rech, o projeto prevê a alteração no espaço oferecido aos usuários do transporte coletivo.

Conforme explica Simone, com a mudança, a parada será mais espaçosa e confortável. 'A empresa responsável teve que retirar a parada, pois a mureta será afastada. Ela irá avançar um metro e meio para dentro do playground. Nos próximos dias, a empresa irá construir a nova mureta, avançando essas medidas e a parada será realocada novamente', explica. Ela ainda comenta que o transtorno é algo temporário, mas necessário para o avanço das obras na reforma da Praça. 

O aposentado Dolores Ferreira Moraes, de 79 anos, levou um susto na hora de esperar o ônibus no início da tarde de sexta-feira, 4. 'Cheguei aqui e não vi a parada, pensei 'só que falta o ônibus não passar aqui'.' O morador do bairro Coronel Brito conta que ao ver pessoas mais acima do local habitual, foi logo se informar. 'Venho seguido para o centro, mas fiquei assustado quando cheguei e não vi a parada. Mas isso vai ser bom para a cidade. Se essa demolição vier para melhorar não tem problema.'


Aldina Manica, 71 anos, moradora do bairro Gressler usa o transporte coletivo todos os dias e sempre pega o ônibus na Tiradentes. Ela comenta que notou a ausência na manhã da última sexta. 'Vai ficar bonito, é melhor para nós que precisamos usar ela todos os dias, na chuva ou no sol.'

 

OBRAS CONTINUAM

Após a realocação do ponto de ônibus, as obras na Praça da Matriz avançam. De acordo com Simone, o próximo passo a ser dado será a construção de novos banheiros. 'Por enquanto, não avançamos pois a praça ainda está decorada. Não queríamos quebrar a magia natalina. Com a finalização da programação do 'Natal Cor & Magia', na próxima semana, a decoração será retirada e com isso, os banheiros serão demolidos.'
Ela garante que a população não ficará sem os sanitários. Durante a construção do novo prédio, Simone observa que serão instalados de dois a quatro banheiros hidráulicos, semelhantes aos químicos, os tradicionais banheiros que não são fixos. 'Infelizmente, vai haver transtorno, mas a população vai entender, pois vai ser um banheiro novo, com mais conforto. Isso será necessário para a reforma. Obra é assim, causa transtorno', acrescenta Simone.


9 - meses é o tempo previsto para a revitalização da Praça da Matriz. O valor total da obra é de R$ 304.818,28.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos: Rosana Wessling 
Foto: Alvaro Pegoraro

Compartilhar

Do mate ao tereré, o companheiro para os dias quentes

Publicado em 07/01/2019 às 09h00

Patrícia e Da Rosa descobriram o tereré há cinco anos e desde então os dias quentes possuem a bebida como aliada se refrescarem"Qual a diferença entre o tereré e o chimarrão?" A pergunta, simples e direta, revela, na verdade, um universo de culturas e tradições. Com a intensa onda de calor dos últimos dias, o consumo do tereré, bebida típica feita de erva-mate com água fria ou gelada, passou a ganhar cada vez mais espaço entre os venâncio-airenses. A venda de erva específica para o chima gelado aumentou em até 20%, informam gerentes consultados pela reportagem.

Os sabores são diversos: menta com limão, uva com menta, abacaxi com hortelã, tutti-frutti, laranja com acerola. Também tem a erva tradicional. 'O tereré em nossos grupos de amigos é cada vez mais popular. Embora o chimarrão tradicional seja insubstituível para muitos adultos, entre os jovens a opção é pelo tereré', conta Patrícia Silveira, 22 anos.

Ela e o namorado Rodrigo da Rosa, 23, não abriram mão do tereré nos dias de calor extremo. 'O preparo é fácil e as opções de mercados com a erva específica ganha cada vez mais espaço nos mercados', cita Rosa. Ele também lembra que os dois são adeptos da bebida tradicional do centro-oeste brasileiro, principalmente no Mato Grosso do Sul, há pelo menos cinco anos.

 

NOVOS LANÇAMENTOS

De olho nessa nova fatia do mercado local, mas acima de tudo regional, as indústrias ervateiras de Venâncio Aires incrementam seus lançamentos nesse segmento. Em dezembro, a Elacy lançou o tereré em pacotes de 500 gramas, nos sabores natural, limão e menta, abacaxi e menta e boldo e menta.

De acordo com um dos diretores da empresa, Gilberto Luiz Heck, o produto foi desenvolvido com o objetivo de expandir a comercialização para estados de clima mais quente, como Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo, além de ser uma alternativa para o verão e uma forma de atingir um público mais jovem.

Heck também observa que o tereré é o produto para melhor utilização da erva-mate produzida em Venâncio Aires. Ele explica que, por conta de aspectos climáticos e do solo, a erva local é mais 'encorpada, consistente'. 'Ela se adapta melhor ao tereré do que para qualquer outro produto', ressalta.

 

TENDÊNCIA ENTRE OS JOVENS

A tendência da boa aceitação entre os jovens pela bebida gelada também é compartilhada e notada pelo diretor da Madrugada Alimentos, Lúcio Metzdorf. 'Virou tendência entre os jovens, pois é um público que tem mais facilidade de se adaptar, se comparado a alguém que só bebeu chimarrão a vida toda.'

Metzdorf também destacou a sazonalidade no consumo, já que a venda da erva para o tereré ainda se concentra nos meses quentes. 'No inverno a procura é muito baixa.' No Rio Grande do Sul, segundo o empresário, o principal mercado é a grande Porto Alegre.

Já o proprietário da ervateira Santa Emília B1, Jaime Bergamaschi, que oferece pelo terceiro ano consecutivo erva-mate para o tereré também localmente, se surpreende com a boa aceitação. 'A maioria da erva-mate para o tereré, beneficiada por nós, inevitavelmente, ainda segue para o centro-oeste brasileiro, mas aos poucos ela vem ganhando também espaço por aqui'.

 

Diferença entre tereré e chimarrão 

A diferença entre o chimarrão e o tereré vai além da temperatura da água e da espessura da erva. Tem muita história e tradição por trás dessas duas bebidas. No entanto, o engenheiro florestal, Roberto Ferron, ex-diretor-executivo do Instituto Brasileiro da Erva-Mate, explica a principal diferença entre a erva que vai no chimarrão e a erva que vai para o tereré: "A diferença é que a erva do chimarrão é mais fina, mais forte e tem que ser com água quente. Aí, temos a erva de tereré. Ela é mais grossa, para colocar água gelada".

No Brasil, quase toda a produção de erva-mate se concentra no Sul do país. Já o hábito de se tomar o tereré, que é uma espécie de chimarrão frio, é muito forte no Paraguai. Por lá é a bebida oficial e patrimônio cultural. O título foi aprovado em fins de 2010 pelo Congresso Nacional do Paraguai que definiu ainda o último sábado de fevereiro como o Dia Nacional do Tereré. Para muitos paraguaios, o tereré é considerado tão importante quanto as danças folclóricas do país. Por conta dos fortes laços que vem desde a época pré-colombiana, o tereré ganhou com o tempo também as províncias do nordeste argentino e no Brasil, a região do Mato Grosso do Sul, por exemplo.

Cada bebida é feita em um tipo de recipiente específico. A do tereré é tradicionalmente chamada de 'guampa', já que a maioria possui de fato o formato de chifre de boi, cortado, e é revestido com couro. Enquanto que a cuia - porongo curtido - fica mais reservada para o chimarrão. Há diferença também na bomba. No tereré ela passa a ser denominada de bombilha e pode ser de metal ou de taquara. Já o material da bomba tradicional do chimarrão é de prata.

 

Dicas para um bom tereré

O nome tereré, ensinam os paraguaios, é onomatopaico e está relacionado aos últimos goles que se faz ao sugar a bebida. O essencial na bebida é a erva-mate, que depois de industrializada, é despejada em um copo chamado guampa, que é feito de chifre de gado, embora também sejam usados recipientes de metal, vidro e até plástico.

É preciso saber selecionar frutas cítricas. Embora possa ser escolhido qualquer suco de fruta para dar sabor à água, o que melhor se adequar e traz uma vantagem refrescante são os citros: laranja, galego, lima ou limão. Eles são considerados os aliados perfeitos para um bom tereré. Também é possível agregar a partir de um toque de ervas. Podem ser adicionadas na água menta, hortelã, erva boa e boldo. Canela e cravo também são uma boa escolha e combinam bem com certas frutas.

Além disso, a erva ideal para o tereré deve ter um percentual maior de pau e folhas sem muita moagem. Nas gôndolas deve se dar preferência para as que contenham os dizeres 'Para tereré' ou 'saborizadas'. Também é importante que não falte gelo. Quando a temperatura ambiente sobe bastante é preciso ser generoso na adição de gelo, que pode estar em jarra de suco, garrafa térmica ou frasco.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos e Foto: Cristiano Wildner 

 

Compartilhar

Levantamento de preços aponta variação de 7% entre supermercado

Publicado em 07/01/2019 às 08h58

Vera compara preços entre os supermercados para garantir economia na hora do ranchoMuda o ano, renovam-se as perspectivas, mas o sobe e desce dos preços continua fazendo parte do dia a dia da população. De assunto trivial nas rodas de conversa à dor de cabeça para fechar as contas, no fim do mês, o valor gasto com alimentação representa parcela significativa no orçamento doméstico.

Na manhã de sexta-feira, 4, a Folha do Mate foi a supermercados de Venâncio Aires conferir os preços de 38 itens alimentícios, de higiene pessoal e limpeza, neste começo de 2019. O objetivo é que o levantamento ocorra no início de cada mês e possibilite análise das oscilações de preço, reflexões sobre mudanças na economia e dicas para poupar na hora de ir às compras.

A pesquisa mostra uma variação de 7% nos preços, entre os supermercados pesquisados. Entre os aspectos de destaque está a redução no preço do tomate que, há cerca de dois meses e meio, alcançava R$ 8,99, em Venâncio Aires.

Atualmente, o produto pode ser adquirido a R$ 3,59 o quilo. Apesar disso, entre todos os produtos pesquisados pela Folha do Mate, ele é o com a maior oscilação, entre os estabelecimentos, chegando a custar R$ 6,49 - uma diferença de 81% no preço.

Em toda a lista de compras pesquisada, frutas e legumes estão entre os produtos que têm maior variação de valor. A diferença no preço chega a 55%, no quilo da batata inglesa, por exemplo, e a 64% na banana caturra, o que reforça a importância da pesquisa, antes de ir às compras.

Para a aposentada Vera Lúcia Martins, 61 anos, isso já é um hábito. Embora realize um rancho, periodicamente, e vá repondo, aos poucos, os produtos, ela fica de olho nas ofertas, na hora de fazer a compra maior. 'Sei que algumas coisas estão mais baratas em outros supermercados, por isso, não compro tudo no mesmo lugar', explica a moradora do bairro Brígida.

Na opinião de Vera, entre os itens que mais pesam na compra de alimentos estão arroz, farinha e feijão. Na pesquisa feita pela Folha do Mate, o feijão e a farinha apresentaram variação de até 20% no preço, conforme o supermercado, enquanto o preço do arroz muda em torno de 8%.

>> 38 produtos foram pesquisados pela Folha do Mate. O preço da lista de compras variou de R$ 250,16 a R$ 268,53.

 

Sobre o levantamento de preços

A pesquisa de preços realizada pela Folha do Mate foi elaborada como base na cesta da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) e inclui 38 itens. Entre eles, estão os 13 itens considerados obrigatórios em uma cesta básica de alimentos, conforme o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese): arroz, feijão, farinha, carne (gado), leite, batata, tomate, pão francês, banana, café, banana, açúcar, óleo e manteiga/margarina.

Para realizar o levantamento de preços, foram escolhidos três supermercados de Venâncio Aires e considerados preços de marcas líderes de mercado, sendo dispensadas promoções.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos e Foto: Juliana Bencke 

Compartilhar

left show fwB tsN|left tsN fwB|left show tsN fwR|c05||skype_c2c_logo_img|news login uppercase c05 b01 bsd|fsN uppercase c05 fwB sbss|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news uppercase b01 bsd fsN tsN fwB c15|tsN fwR uppercase c05|fwR c05 uppercase|content-inner c05||