Cooprova lança primeiro lote de feijão embalado com marca própria

Publicado em 28/12/2018 às 08h53

Representantes das entidades estão satisfeitos com a efetivação do Projeto Feijão'Depois de muito esforço, está aí, mais uma conquista para todos os associados da Cooprova, que é o nosso primeiro lote de feijão processado com a parceria do municipio de Boqueirão do Leão'. A manifestação é da vice-presidente da Cooperativa dos Produtores de Venâncio Aires (Cooprova) Mônica Moraes, ao falar sobre o feijão com a marca própria da cooperativa, lançado na quarta-feira, 26.

Segundo a secretária executiva da Cooprova, Carine Larsen, o feijão com marca própria da cooperativa, foi uma ideia finalizada com o apoio da Secretaria Municipal de Agricultura (SMA) onde o secretário André Kaufmann, fez um repasse do Fundo Municipal de Desenvolvimento Rural, e os membros do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural (Comder) aprovaram a liberação do recurso para ser aplicados nas embalagens, rótulos, clichês e processamento do feijão.

Carine salienta que para o lançamento do cereal, a Cooprova contou com o apoio e parceria da Secretaria Municipal de Agricultura, escritório municipal da Emater/RS-Ascar, Sindicato dos Trabalhadores Rurais e Sindicato Rural, ambos de Venâncio Aires. O feijão é produzido pelos agricultores familiares que são associados da cooperativa e no primeiro momento foram adquiridos deles, 2 mil quilos do produto, onde a embalagem e processamento foram realizados em parceria com a cooperativa de Boqueirão do Leão.

Ainda segundo Carine, a Cooprova já tem estimativa de venda de 13 mil quilos para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Municipal e Estadual, estimativa de venda de 10 mil quilos em 2019 para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), além das vendas nas feiras da cooperativa que ocorrem no prédio localizado nos fundos da prefeitura, quatro vezes por semana, a partir da primeira quinzena do próximo mês de janeiro.

 

AGRICULTURA

O secretário municipal de Agricultura André Kaufmann, observa que o Projeto Feijão foi lançado no mês de julho deste ano. Ele avalia como positiva esta conquista porque era uma das demandas da Secretaria Municipal de Educação (SME) em relação ao fornecimento de feijão para a alimentação escolar. 'Tentamos viabilizar da melhor maneira possível de como faríamos com a marca, quem forneceria e compraria o produto e a cooperativa se colocou à disposição, que em parceria com a Emater/RS-Ascar criou a logomarca. A Vigilância Sanitária viabilizou a parte nutricional', frisa. Kaufmann reforça que a Agricultura repassou parte do lucro da I Agrofeira para o desenvolvimento do projeto.

A partir da efetivação do embalamento do feijão, o próximo passo das entidades será trabalhar o mercado, pois segundo Kaufmann, ele existe, não somente dos programas institucionais, mas também, os presídios e os consumidores em geral. 'Com esta demanda, vimos a necessidade de aumentar o volume de vendas da cooperativa e além disso, profissionalizar os produtores associados da Cooprova, tarefa esta que caberá à Emater/RS-Ascar, para que haja uma demanda do cereal o ano inteiro', frisa. A estimativa, segundo o secretário, é de produzir de 15 mil a 20 mil quilos no ano de 2019 e aos poucos, aumentar esta produção.

 

FORTALECIMENTO

O extensionista rural do escritório municipal da Emater/RS-Ascar Alex Gregory, 
salienta que Projeto Feijão visa o fortalecimento da agricultura familiar no município e, ainda, visa incentivar a produção do cereal que compõe a alimentação básica dos brasileiros. Gregory observa que a Emater/RS estimulou o cultivo e prestou assistência técnica aos produtores, contribuindo com a logística do processo de forma geral (rótulo, código de barras, dimensões da embalagem, entre outros).

Gregory destaca que a intenção de produzir e comercializar feijão aqui no município vem de diversos anos, visto a qualidade do produto e aptidão de solo e clima local para o desenvolvimento da cultura. 'A oportunidade de vincular a produção e comercialização estava aí. Reunimos os elos da cadeia produtiva e desenvolvemos o projeto junto com os apoiadores', resume.

Os resultados com esse projeto, segundo Gregory, são diversos. Ele cita o incremento de renda ao produtor; mais um item no leque de produtos ofertados pela Cooprova; e, fortalecimento da agricultura familiar e do comércio local e estímulo ao vínculo entre as cooperativas como forma de promover o desenvolvimento mútuo.

'O feijão se apresenta como uma alternativa de diversificação, pois pode ser plantado na primeira safra e na resteva do tabaco como segunda safra, o que depende da região do município'. 
ANDRÉ KAUFMANN - Secretário municipal de Agricultura.

 

Parceria

A parceria para embalar o feijão foi estabelecida com a Cooperativa Léo Boqueirense de Agricultores Familiares, Secretaria Municipal de Agricultura e Emater de Boqueirão do Leão. Segundo Gregory, ambas participam do Programa Mais Gestão desenvolvido pela Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), executada pela Emater por meio de apoio técnico e organizacional.

R$ 4,7 mil
é o valor repassado pelo secretario municipal de Agricultura para o Projeto Feijão.

R$ 5,50
é a estimativa do valor de venda do feijão, podendo variar para mais ou menos conforme o programa que for comercializado.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos e Foto: Edemar Etges 

voltar para Notícias - Geral

left show fwB tsN|left tsN fwB|left show tsN fwR|c05||skype_c2c_logo_img|news login uppercase c05 b01 bsd|fsN uppercase c05 fwB sbss|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news uppercase b01 bsd fsN tsN fwB c15|tsN fwR uppercase c05|fwR c05 uppercase|content-inner c05||