No caminho da autonomia e da autoestima

Publicado em 30/10/2018 às 14h36

 Professora Maria Cristina com os alunos na turma de alfabetização da Emef Dois Irmãos: troca de experiências e sonhos compartilhadosTem dias nos quais o cansaço pelo trabalho pesado na fundição atrapalha a concentração de Ari Andrade da Silva, 42 anos, na aula. Mesmo assim, faça chuva ou faça sol, ele faz questão de estar com os colegas e a professora Maria Cristina Dornelles, 50 anos, nas noites de segunda a quinta-feira. Cada dia na aula é um dia mais próximo de realizar seu maior sonho.

Aluno da turma de alfabetização de adultos, da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Dois Irmãos, Ari quer fazer a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Se, no início, ele olhava para as letras sem entender nada, agora, já consegue ler os bilhetes da escola das filhas, de 13 e 9 anos. 'Vou estudar até quando estiver aguentando. Quanto mais a pessoa vai estudando, mais vai se interessando', garante o metalúrgico, natural de Candelária.

Para ele, que sempre quis estudar, mas sofreu com a separação dos pais, aos 6 anos, passou fome e frio, 'é triste não ter estudo'. Não foram poucos os desafios encarados por não saber ler. Entre os mais marcantes está o dia em que assinou um contrato de um curso de Informática, para uma das filhas, sem saber o que estava escrito.

Quando não foi possível continuar o curso, ele foi obrigado a pagar uma multa, prevista no documento, a qual sequer imaginava que existisse. 'Quando estava procurando uma casa para alugar, via as placas, mas não conseguia saber se era para alugar ou vender', conta.

Mudar situações como essas e garantir a autonomia e a autoestima de pessoas como Ari é o objetivo das aulas de alfabetização. Desde o início do mês, a Secretaria Municipal de Educação tem reforçado a busca por venâncio-airenses que ainda não saber ler ou escrever. Atualmente, a Emef Dois Irmãos é a única que oferece alfabetização para adultos, por meio da Educação de Jovens e Adultos (EJA). O objetivo, entretanto, é abrir turmas em diferentes pontas do município, em 2019, pelo projeto 'Alfabetização: um novo mundo que se abre'.

Segundo a coordenadora pedagógica da Secretaria Municipal de Educação, Alice Theis, a intenção é oferecer a possibilitar de aprender a ler e escrever a pessoas que, durante a infância, não tiveram esse direito assegurado. 'Antes, não se tinha obrigatoriedade que se tem agora de proporcionar acesso a escola e alfabetização na idade certa. Isso não tira a responsabilidade dos sistemas de educação de que, todo aquele que não teve chance de se alfabetizar em outro momento, possa fazê-lo, agora', ressalta.

Ela reforça que, quem não sabe ler e escrever, não deve ter vergonha dessa condição e incentiva a busca as aulas. 'É vergonha da sociedade, porque ela falhou. Os sistemas de educação não deram conta. A pessoa não é culpada, por isso não deve se envergonhar. Sempre há tempo de estudar.'

'A pessoa estudar é uma grande coisa. Sem estudo, não se consegue chegar onde se quer. A gente tem que ter fé e vontade, deixar a vergonha de lado. Não dá para desistir dos sonhos.' ARI ANDRADE DA SILVA, Estudante.

 

Motivação na vida real e proposta de ensino de Paulo Freire

Além de fazer a carteira de motorista - principal motivação de Ari - sonhos como ler a Bíblia, contar histórias para os netos ou poder ler as mensagens do celular estimulam pessoas a se debruçar sobre os livros, depois de uma vida enxergando sem decifrar as letras.

Com experiência de 23 anos de magistério, a professora Maria Cristina Dornelles considera única a experiência de alfabetização de adultos - ela trabalha com a turma da Emef Dois Irmãos há 2 anos. 'Aprendo muito com eles. Dividimos muito, compartilhamos aprendizado, porque a experiência de vida deles é muito grande. O adulto vem para a escola porque realmente quer aprender', destaca.

A coordenadora pedagógica do Município, Alice Theis, observa que a sabedoria de vida contribui muito com o processo de aprendizagem de adultos. 'Por isso, quando são apresentados ao mundo das letras com pedagogia e didática adequada, eles aprendem. Tivemos casos de pessoas com mais de 60 anos que se alfabetizaram em questão de três meses', comenta.

Ela esclarece que a alfabetização de adultos segue uma metodologia específica, diferente da utilizada com crianças. 'Um dos maiores pensadores da educação que este mundo teve, que é o brasileiro Paulo Freire, criou um método de alfabetização de adultos. É uma metodologia específica para eles', enfatiza, ao referir-se à estratégia de ensino que considera as experiências de vida dos alunos e propõe o ensino da leitura e da escrita, a partir da realidade dos alunos.

  

Temos um compromisso moral e ética com cidadãos que não tiveram oportunidade de se alfabetizar. Vivemos em um mundo em que a leitura está em toda parte. É direito do sujeito estar apropriado deste mundo, e nós nos sentimos responsabilizados por isso.' ALICE THEIS, Coordenadora pedagógica da Secretaria Municipal de Educação

 

SAIBA MAIS SOBRE O PROJETO DE ALFABETIZAÇÃO

1 - Podem participar das aulas de alfabetização pessoas acima de 15 anos que não sabem ler nem escrever ou que tenham parado de estudar na 1ª ou 2ª série e tenham apenas conhecimento básico das letras, como somente saber escrever o próprio nome.
2 - Se você tem algum familiar ou conhece alguém que não sabe ler e escrever, pode indicar essa pessoa para a Secretaria Municipal de Educação, que irá ao encontro dela e explicará o projeto de alfabetização. 
3 - Não há nenhum custo para participar das aulas. Além disso, os alunos têm direito a lanche e, dependendo dos casos, transporte até o local das aulas, que podem ocorrer em escolas ou mesmo uma sede comunitária.
4 - As turmas serão formadas, independentemente do número de alunos e em horários que melhor se adequarem à possibilidade dos alunos. 
5 - Para o levantamento da demanda de pessoas não alfabetizadas, a secretaria solicita os seguintes dados: nome, endereço, idade aproximada e alguma forma de contato. 
6 - É possível repassar as informações na própria secretaria, na rua Osvaldo Aranha, 515, das 7h30min às 17h30min, nas segundas, terças, quintas e sextas-feiras.
7 - Também pode-se contatar pelo telefone 3983-1085 ou pelo e-mail sme.venancioaires@gmail.com.

 

Fonte: Jornal Folha do Mate
Créditos e foto: Juliana Bencke

voltar para Notícias - Geral

left show fwB tsN|left tsN fwB|left show tsN fwR|c05||skype_c2c_logo_img|news login uppercase c05 b01 bsd|fsN uppercase c05 fwB sbss|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news uppercase b01 bsd fsN tsN fwB c15|tsN fwR uppercase c05|fwR c05 uppercase|content-inner c05||