PPCI do Parque e gastos gerais da Fenachim custarão R$ 550 mil

Publicado em 20/11/2018 às 08h07

Maior parte dos recursos deve ser usada para obras de infraestrutura, visando conforto de visitantes e expositoresA maior festa de Venâncio Aires custará, somente aos cofres públicos, mais de meio milhão de reais. São R$ 550 mil em recursos próprios para a 15ª Festa Nacional do Chimarrão (Fenachim), já previstos no orçamento de 2019.

A projeção indica R$ 300 mil dentro das despesas da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (para custos gerais) e mais R$ 250 mil incluídos nos gastos da Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisp). O valor correspondente à Sisp é referente ao Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI) do Parque do Chimarrão.

Segundo o prefeito Giovane Wickert, além do PPCI, os recursos serão usados em obras de reforma. 'Não se trata de repasse, mas sim uma obra direta e que deixará o Parque em condições para qualquer evento.' Neste caso, conforme o prefeito, não precisa de um projeto de lei. Como o valor está previsto na Lei Orçamentária Anual, basta aprovação da LOA por parte do Legislativo.

Já os outros R$ 300 mil serão, conforme Wickert, 'livre para o fomento da organização da Fenachim'. Para esse repasse, é necessário formular um projeto de lei, que será enviado à Câmara após aprovação da LOA.

Segundo a presidente da Fenachim, Cleiva Heck, se esse valor for confirmado será possível realizar diversos projetos. 'A cada edição da festa sempre surge uma demanda. Penso, por exemplo, que podemos investir em um local fixo para a Escola do Chimarrão, casinhas fixas para o artesanato na descida em direção ao pavilhão agropecuário e uma boa estrutura na parte baixa do Parque, para quem for expor e circular por lá.'

Ainda conforme Cleiva, o objetivo é fazer uma festa 'enxuta', cortando todos os gastos possíveis. 'Não iremos investir muito em grandes decorações, por exemplo. Queremos que as pessoas se sintam bem e aproveitem. Vamos fazer uma festa simples, mas grande, e que os visitantes fiquem à vontade para aproveitar as atrações.'

 

PPCI NO PARQUE
Após a execução do Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio para a Fenachim, toda a estrutura do Parque do Chimarrão estará de acordo com a legislação. Atualmente, o Ginásio Poliesportivo, o Ginásio de Exposições, o Morada Velha e o conjunto de bares próximo ao pórtico principal atendem às normas previstas no PPCI.

Segundo o engenheiro civil da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão, Marco Aurélio Holz, ainda não tem PPCI o auditório e o restaurante, o pavilhão agropecuário e o antigo bochódromo (Palco Super Lenz). 'Além disso, parte do recurso deve ser investido em estrutura fixa dentro do Parque. O investimento é para a realização da Fenachim, mas ficará de herança para qualquer evento posterior', destaca Holz. Ainda conforme o engenheiro, entre os itens mais caros do PPCI estão os hidrantes e os alarmes de incêndio.

 

Proposta para Lei Rouanet ainda precisa ser encaminhada ao Ministério da Cultura

A exemplos de edições anteriores, quando a festa foi financiada com recursos captados por lei de incentivo federal, a 15ª Fenachim também deve aproveitar essa possibilidade. O caminho, novamente, será através da Lei Rouanet, na qual empresas destinam parte do imposto de renda para custear eventos culturais.

Segundo o secretário da comissão executiva da Fenachim, Jairo Bencke, a proposta ainda não foi encaminhada ao Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac). 'Estamos aguardando uma posição do Ministério da Cultura do cadastramento de algumas rubricas de pagamentos do Ministério, para depois enviarmos a proposta cultural. Ainda não temos projeto Pronac.'

Conforme Bencke, com a necessidade da eleição da nova diretoria da Associação Festa Nacional do Chimarrão (Afenachim) e a burocracia posterior, a organização corre contra o tempo. 'Temos que ter tudo registrado em cartório, eleição e posse, o que leva muitos dias. Quanto ao CNPJ, precisamos fazer a alteração, que ficou alguns dias na Receita Federal. Precisamos ter tudo em dia para poder encaminhar o projeto e estamos correndo contra o tempo.'

Assim que encaminhar o projeto ao Programa Nacional de Apoio à Cultura, a expectativa é captar cerca de R$ 650 mil reais. 'Também precisamos contar com a sorte, mas diversas empresas já me procuraram interessadas em auxiliar dessa forma', revelou a presidente da Fenachim, Cleiva Heck.
A 15ª Festa Nacional do Chimarrão ocorre entre os dias 1º e 5 e 9 e 12 de maio de 2019.

Se somar os valores do repasse para a organização, mais os investimentos em reformas e PPCI, além da estimativa de captação com a Lei Rouanet, o orçamento da Fenachim pode chegar a R$ 1,2 milhão.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos: Débora Kist 
Foto: Letícia Wacholz 

voltar para Notícias - Geral

left show fwB tsN|left tsN fwB|left show tsN fwR|c05||skype_c2c_logo_img|news login uppercase c05 b01 bsd|fsN uppercase c05 fwB sbss|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news uppercase b01 bsd fsN tsN fwB c15|tsN fwR uppercase c05|fwR c05 uppercase|content-inner c05||