Preço da gasolina despenca na refinaria, mas resiste na bomba

Publicado em 27/11/2018 às 11h48

O preço da gasolina comum despencou nas refinarias, mas só tropeçou nas bombas. Desde setembro, o combustível na usina caiu 31% (sem impostos) e atingiu o nível mais baixo desde julho. No posto, porém, a gasolina ficou só 1,75% mais barata em todo o país, no mesmo período, avalia a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis.
Em setembro, no entanto, os preços foram afetados pela alta do petróleo no exterior e a desvalorização do real ante o dólar levou o preço do combustível a atingir o maior pico. Em alguns postos de Venâncio Aires, a gasolina chegou a custar acima de R$ 5,00 o litro, naquele mês.

Agora, as sucessivas quedas dos preços dos combustíveis, pela Petrobras, procuram refletir o recuo no preço internacional do petróleo. Mas, o preço da gasolina no exterior caiu 15,3% nos últimos 30 dias. Isso, claramente indica que a queda nos preços praticados ao consumidor é bem mais lenta. A explicação seriam os altos impostos que incidem sobre o combustível, sustenta o sindicato que representa os postos de combustíveis do Rio Grande do Sul, o Sulpetro. O setor também argumenta que na época em que a gasolina subiu na refinaria, os postos também não repassaram essa alta para o consumidor e absorveram parte do aumento.

 

VENÂNCIO AIRES

No levantamento realizado, ontem, pela reportagem da Folha do Mate, a partir de informações repassadas por 19 postos de combustíveis do município, foi constato que os valores médios cobrados para a gasolina comum e aditivada, à vista, são de R$ 4,629 e R$ 4,729, respectivamente. Na comparação com a última pesquisa - feita nos mesmos estabelecimentos comerciais, dia 8 de novembro -, o preço médio do litro da gasolina comum, à vista, caiu 0,147. Já a aditivada teve praticamente a mesa queda: 0,142. Se considerar o acumulado de quedas nas últimas semanas, ou seja, nos dois levantamentos, o recuo no preço chega a R$ 0,27.

Pelo levantamento, o valor mais baixo encontrado foi de R$ 4,499 para a gasolina comum e R$ e R$ 4,599 para a gasolina aditivada, ambos à vista, e inclusive no mesmo posto. Enquanto que o preço mais alto da gasolina comum foi encontrado a R$ 4,769 e no caso da aditivada o valor mais elevado é de R$ 4,899.

 

PESQUISA

O morador de Linha Alto Paredão, Nelson Horbach, 63 anos, aproveita a vinda para a cidade para pesquisar preços mais em conta. Ontem ele aproveitou para abastecer seu veículo e também levar uma reserva em extra em galão.

 

TANQUE CHEIO 

Para encher um tanque de 50 litros de gasolina comum levando em conta o preço médio (R$ 4,629), o consumidor precisa desembolsar R$ 231,45. A queda em relação ao levantamento anterior é de R$ 7,35. Para o caso da gasolina aditivada, cujo valor médio cobrado é de R$ 4,729, o consumidor precisará pagar R$ 236,45.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos: Cristiano Wildner 

voltar para Notícias - Geral

left show fwB tsN|left tsN fwB|left show tsN fwR|c05||skype_c2c_logo_img|news login uppercase c05 b01 bsd|fsN uppercase c05 fwB sbss|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news uppercase b01 bsd fsN tsN fwB c15|tsN fwR uppercase c05|fwR c05 uppercase|content-inner c05||