Transporte escolar: segurança e responsabilidade no caminho da escola

Publicado em 26/07/2018 às 16h23

Crianças que frequentam educação infantil são buscadas na sala de aula e acompanhadas pelo motorista e monitores das vansA rotina começa cedo para Ari Nagel, 52 anos, e só se encerra no fim da noite. 'Às 6h20min, já começamos a buscar as crianças, pois algumas mães pegam o ônibus para ir trabalhar', conta o motorista e proprietário de empresa de transporte escolar.

Se, pela manhã e à tarde o foco é a condução de crianças e adolescentes para os colégios, o terceiro turno do dia é dedicado ao transporte para a Universidade do Vale do Taquari (Univates), em Lajeado.
Independentemente da idade ou da série, mais do que um simples condução entre a residência e escola, o transporte escolar tem como prioridade a segurança dos passageiros - o que vai desde a utilização do cinto de segurança até a garantia das condições adequadas do veículo, aprovadas em vistorias periódicas, e o acompanhamento do aluno durante todo o percurso entre a instituição de ensino e a residência. 'Com os pequenos, o cuidado é redobrado', destaca Ari.

Por dia, juntos, os 20 micro-ônibus e vans da Nagel Transportes percorrem em torno de 2,3 mil quilômetros, em aproximadamente 40 trajetos de transporte escolar, na cidade e no interior de Venâncio Aires. 

'Atendemos praticamente todas as escolas. São cerca de 550 crianças e mais 300 alunos para a Univates', comenta Nagel, que ingressou no ramo há 12 anos, com apenas oito alunos. 'Tem alunos que começamos a transportar quando eram pequenos e hoje já estão indo para a faculdade. Acompanhamos o crescimento deles e acaba se tornando um vínculo de amizade', complementa o filho Anderson Nagel, que também atua na empresa.

 

Monitoramento pelo departamento de Trânsito

Veículos que realizam transporte escolar passam por vistorias semestrais no Departamento Municipal de Trânsito, que também realiza o cadastro dos motoristas. Para isso, são exigidos documentos como negativa de pontos da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) - o condutor não pode ter multas graves ou gravíssimas -, comprovante do curso para condução de veículo escolar, renovado a cada 5 anos; e negativa de antecedentes criminais.

A avaliação dos veículos no Departamento de Trânsito é a terceira etapa da vistoria. Primeiro, eles eles passam por revisão em empresas vinculadas ao Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), que avaliam as condições da van e realizam aferição do tacógrafo. A partir disso, elas fornecem o laudo para uma segunda avaliação, no Centro de Registro de Veículos Automotores (CRVA), para que, depois, passem pela análise municipal.

Ao serem aprovadas nas vistorias, as vans são identificadas com um selo, que deve ser colado no canto superior do para-brisa, no lado do caroneiro. 'É importante que, ao buscarem um transporte para os filhos, as famílias não levem em conta apenas o preço, mas se o veículo oferece segurança', alerta o agente de trânsito Cássio Mainardi Cavalheiro. 'Para saber isso, basta verificar se o veículo tem o selo, porque é isso que garante que foram realizadas as vistorias e ele está em condições', explica.

De acordo com ele, também é possível contatar o Departamento de Trânsito e obter informações, informando a placa do veículo, pelo telefone 3983 1105.

 

Fonte: Jornal Folha do Mate
Créditos e foto: Juliana Bencke

voltar para Notícias - Geral

left show fwB tsN|left tsN fwB|left show tsN fwR|c05||skype_c2c_logo_img|news login uppercase c05 b01 bsd|fsN uppercase c05 fwB sbss|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news uppercase b01 bsd fsN tsN fwB c15|tsN fwR uppercase c05|fwR c05 uppercase|content-inner c05||