Venâncio projeta déficit de R$ 13 milhões em 2019

Publicado em 13/11/2018 às 11h01

Audiência pública foi liderada pela equipe da Secretaria da Fazenda, que detalhou os números das receitas e despesas por secretariaVenâncio Aires estima para 2019 uma despesa total orçamentária de R$ 288.464.590,44. Esse montante é sobre uma receita projetada da Prefeitura de R$ 275.364.901,37, o que dará um saldo negativo de R$ 13.099.689,07 e o governo municipal terá que encontrar meios para lidar com esse déficit de recursos próprios.

Os números da Lei Orçamentária Anual (LOA) foram apresentados nesta segunda-feira, 12, durante audiência pública na Prefeitura, liderada pela equipe da Secretaria Municipal da Fazenda. Custos com educação, saúde e a folha de pagamento são os principais impactos na despesa orçamentária.

Para a educação, por exemplo, as despesas somam mais de R$ 42 milhões, já que neste valor estão incluídos gastos com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (MDE), Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), recursos próprios e recursos vinculados, como transporte escolar e alimentação.

Segundo o secretário da Fazenda, Eleno Stertz, 2019 novamente será um ano difícil, embora a economia dê pequenos sinais de recuperação. 'Estamos sempre precisando melhorar a arrecadação, para melhorar nossa receita, e teremos de ser eficientes nas secretarias.' Entre as alternativas, Stertz aponta a atualização e cobrança do IPTU e do ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis), além de acompanhar a evolução dos 'impostos indiretos', como ICMS.

A Lei Orçamentária Anual 2019 será encaminhada para a Câmara de Vereadores, que também fará uma audiência pública e só depois o projeto de lei irá à votação.

 

FUNDO DE PREVIDÊNCIA

Um dos pontos destacados durante a audiência foi o aporte necessário para custear o Fundo de Previdência - que dentro do orçamento alcança R$ 53.600.00,00. Para o ano que vem, só a contribuição do aporte especial é de R$ 14 milhões.

Segundo o assessor da Secretaria Municipal da Fazenda, Egon Sniedze, essa dívida não precisaria existir. 'Criaram o fundo e o município mal contribuía. Criou-se uma lei, mas não se pensou no todo. Não tenho dúvidas de que se fosse diferente há mais de 20 anos, não teríamos essa dívida hoje.'

Ainda conforme Sniedze, os R$ 14 milhões de aporte suplementar para o Fundo de Previdência são só de 2019. 'Se não fosse esse valor, poderíamos dizer que ao invés de um déficit de R$ 13 milhões poderíamos ter um superávit de R$ 1 milhão.'

Já para o secretário da Fazenda, Eleno Stertz, o Fundo de Previdência é apenas um dos motivos para o saldo negativo no orçamento. 'Acho que é um somatório de coisas, considerando também uma folha de pagamento que é de quase 45%, em um município que é um dos que melhor pagam no Estado. Mas estamos na expectativa de o Governo Federal prorrogar o prazo dos aportes'. Essa prorrogação mencionada por Stertz prolongaria de 2035 para 2075 os aportes especiais dos municípios com o Fundo de Previdência. 'Não diminuiria o valor total, mas diluiria a conta.'

 

RECEITA MAIOR

O valor da receita apresentado na audiência de ontem é de R$ 275.364.901,37. São R$ 30.915.851,11 a mais do que a receita estipulada na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), apresentada no dia 15 de outubro. O motivo da diferença é que na LOA foram incluídas operações de créditos de R$ 26 milhões e outros quase R$ 5 milhões de convênios. Na época da formulação da LDO, esses financiamentos novos ficaram de fora porque não tinham os contratos confirmados.

 Com a confirmação, os programas incluídos são do Avançar Cidades, do Ministério das Cidades, que destinam R$ 20 milhões para obras de pavimentação; e outro do BRDE 3, financiado diretamente com o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul e que prevê R$ 6 milhões também para infraestrutura, principalmente a pavimentação do Corredor dos Gauer. Além disso, foram incluídos R$ 4.915.851,00 de convênios para pavimentação em Vila Deodoro, Vila Mariante, Coronel Brito e Linha Sapé.

 

Despesas projetadas por secretarias:

Gabinete do Prefeito: R$ 4.622.391,76
Administração: R$ 8.023.245,53
Fazenda: R$ 4.240.341,00
Planejamento, Orçamento e Gestão: R$ 1.811.359,00
Infraestrutura e Serviços Públicos: R$ 11.500.511,00
Agricultura: R$ 3.656.447,00
Habitação e Desenvolvimento Social: R$ 3.023.480,00
Desenvolvimento Econômico e Turismo: R$ 1.000.374,00
Cultura e Esportes: R$ 1.658.957,00
Meio Ambiente: R$ 6.068.172,28
Educação: R$ 42.727.713,50 + cerca de R$ 5 milhões de recursos vinculados
Saúde: R$ 26.521.561,00

A diferença em relação às despesas de 2018 não variam muito entre as secretarias. Mas no caso do Desenvolvimento Econômico e Turismo, o crescimento será de mais de 40%. Isso porque já estão previstos os gastos com a Fenachim - cerca de R$ 300 mil.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos e Foto: Débora Kist 

voltar para Notícias - Geral

left show fwB tsN|left tsN fwB|left show tsN fwR|c05||skype_c2c_logo_img|news login uppercase c05 b01 bsd|fsN uppercase c05 fwB sbss|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news uppercase b01 bsd fsN tsN fwB c15|tsN fwR uppercase c05|fwR c05 uppercase|content-inner c05||