Mulher condenada a sete anos e nove meses por matar sogra

Publicado em 27/07/2018 às 14h17

Josiane (ao fundo, de pernas cruzadas) acompanha explanação do promotor Pedro Rui da Fontoura Porto, que foi o responsável pela acusaçãoEram por volta de 17h desta quinta-feira, 26, quando o juiz João Francisco Goulart Borges anunciou a sentença para um dos casos de maior repercussão em Venâncio Aires nos últimos anos. Foram sete horas de júri - sem contabilizar o intervalo de uma hora e meia - até que Josiane da Silva Rodrigues, de 28 anos, fosse considerada culpada pela morte de Iara Rosângela da Silva de Ávila, que na época do crime, em 2014, tinha 50 anos. Iara era sogra de Josiane, mãe de Diogo Ávila, o ex-companheiro da acusada. A pena lida pelo magistrado foi de sete anos e nove meses, mais multa, e será cumprida inicialmente em regime semiaberto.

De acordo com a acusação do Ministério Público, sustentada pelo promotor de Justiça Pedro Rui da Fontoura Porto, após se desentender com a vítima, Josiane teria empurrado a sogra, que caiu, bateu a cabeça e ficou desacordada. Em seguida, ela teria golpeado, com um pedaço de madeira, a cabeça de Iara. Por fim, escondido o corpo em uma fossa, entre as casas que moravam, no bairro Coronel Brito. O crime teria sido cometido no dia 31 de julho de 2014, mas o cadáver só foi achado no dia 2 de maio de 2015, quase nove meses depois.

DEFESA - Durante todo o julgamento, a defesa, comandada pelo advogado Paulo Mathias Ferreira, sustentou a tese de inexistência de provas. Conforme o defensor, a Promotoria teria se valido, para pedir a condenação de sua cliente, de uma confissão na Delegacia de Polícia, que segundo ele foi obtida a partir de pressão dos policiais sobre Josiane. Ferreira ainda destacou que irá recorrer da decisão em busca da anulação do julgamento, pois entende que uma testemunha - um menor de idade, submetido ao 'depoimento sem dano' - não foi ouvida como deveria. O promotor Pedro Rui da Fontoura Porto disse que vai analisar a possibilidade de recorrer para aumentar a pena.

Os sete anos e nove meses de pena aplicados a Josiane da Silva Rodrigues resultam da soma de seis anos e seis meses por homicídio e um ano e três meses por ocultação de cadáver.

'Para um crime brutal como esse, é pouco, né? Ela nem vai ficar no regime fechado.'
DIOGO ÁVILA
Filho da vítima, após o anúncio da sentença

 

MEMÓRIA

1 Iara Rosângela da Silva de Ávila tinha 50 anos na época do crime. Ela foi vista com vida pela última vez pelo filho, Diogo Ávila, na noite do dia 30 de julho de 2014.

2 Segundo Diogo, Iara conversou por telefone com uma irmã dela, que mora em outra cidade e, depois, com ele. Disse que não estava bem e que iria cometer suicídio.

3 Diogo, que era frentista e trabalhava durante a madrugada, pediu que a mãe ficasse calma e procurasse descansar, pois voltaria para vê-la na manhã do dia seguinte.

4 Ao retornar do trabalho, por volta das 6h, Diogo viu que o portão da casa da mãe estava aberto, e a casa chaveada. Ele entrou e viu que a mãe não estava. Além disso, notou que a carteira dela, com dinheiro, documentos, cartões bancários e o celular também haviam sumido.

5 Notou que ela não tinha saído para trabalhar, pois a térmica na qual costumava levar o café para o lanche estava sobre a mesa. Também soube que ela não havia se encontrado com a colega de trabalho, com quem fazia o trajeto entre o trevo do bairro Coronel Brito até a empresa, no bairro Brígida.

6 Depois de 18 dias, Diogo recebeu mensagens originadas do celular da desaparecida. O conteúdo tranquilizava a todos e, inclusive, pedia para o filho não esquecer de cuidar do seu cachorro. Também referiam que Iara estava bem, cuidando de uma mulher idosa.

7 No dia 2 de maio, um sábado, familiares de Iara, após acompanharem uma reportagem na TV, onde um corpo foi escondido dentro de uma cisterna, resolveram conferir a fossa. Ao levantarem a laje, encontraram o corpo.

 

Fonte: Jornal Folha do Mate
Créditos e foto: Carlos Dickow

voltar para Notícias - Polícia

left show fwB tsN|left tsN fwB|left show tsN fwR|c05||skype_c2c_logo_img|news login uppercase c05 b01 bsd|fsN uppercase c05 fwB sbss|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news uppercase b01 bsd fsN tsN fwB c15|tsN fwR uppercase c05|fwR c05 uppercase|content-inner c05||