Mulheres são vítimas de roubos e agressões durante o fim de semana

Publicado em 12/02/2019 às 11h27

As mulheres têm lutado bravamente por igualdade de direitos e, em parte, conseguido, ao longo dos anos, conquistas neste sentido. Cada vez mais independentes e profissionalmente reconhecidas, elas têm vida própria e estão representadas em todas as áreas e segmentos da sociedade. Contudo, ainda travam batalhas diárias contra males que não se acabam: abuso e violência, quase sempre praticados por homens.

Na pilha de aproximadamente 35 ocorrências revisada pela reportagem da Folha do Mate na manhã desta segunda-feira, 11, pelo menos 12 tinham mulheres como vítimas. Os casos vão desde roubos e furtos até os mais comuns dos boletins: ameaças e lesões corporais contra pessoas do sexo feminino - relatos dramáticos de violência ocorridos nos mais diversos pontos de Venâncio Aires, na cidade e no interior.

ROUBOS - Conforme ocorrências registradas na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) no fim de semana, quatro mulheres foram vítimas de roubos, nos bairros Gressler e Aviação. Duas abordagens semelhantes reforçam a suspeita de que os autores dos dois assaltos possam ser os mesmos. Sábado, 9, por volta das 21h30min, duas jovens, de 21 e 24 anos, foram acuadas na esquina das ruas Duque de Caxias e Carlos Wagner. Dois homens em uma motocicleta anunciaram o assalto e levaram dois telefones das vítimas.

O outro caso, no domingo, 10, teve modo de operação muito parecido. Novamente dois homens em uma motocicleta abordaram uma mulher de 42 anos e uma criança de 13, na rua Coronel Agra. Eles se aproximaram, um desceu do veículo, levou a mão à cintura, para deixar claro que estava armado, e roubou dois telefones. Os relatos, nas duas ocorrências, reforçam a escolha por vítimas mulheres. Os assaltantes teriam passado por elas, em um primeiro momento, e retornado, já com a certeza de que seriam presas fáceis.

 

Relatos de ameaças e agressões são comuns nos fins de semana

Ameaças e agressões a mulheres são relatos comuns na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), principalmente durante o fim de semana. Nos sábados e domingos, quando geralmente há a "mistura" do desrespeito com bebidas alcoólicas e substâncias entorpecentes, a covardia costuma ter proporções ainda maiores. Neste fim de semana, por exemplo, foram seis ocorrências de agressões a mulheres.

No sábado, no bairro Aviação, uma vítima foi atingida por socos e golpes de espeto em várias partes do corpo. Atualmente com 20 anos, ela relatou que vive com o suspeito há um ano e que as ameaças e agressões estão associadas ao consumo de álcool, normalmente após discussões entre o casal. Ela saiu de casa e manifestou desejo de representar criminalmente contra o companheiro, além de pedir medidas protetivas.

As demais ocorrências foram registradas no domingo. No bairro Brands, uma mulher que retirou o pedido de proteção acabou se arrependendo, pois o homem com quem se relaciona há três anos a agrediu com tapas e um soco no rosto. Ao buscar atendimento no Hospital São Sebastião Mártir (HSSM), disse que tinha medo de ser seguida pelo suspeito e a Brigada Militar foi acionada para garantir a segurança.

No Centro, revoltado por conta de um convite de uma amiga de sua ex-mulher para ir a uma festa, um homem agrediu a vítima e uma filha dela e ainda ameaçou-as com uma faca. Conforme relato na DPPA, teria deixado a residência da ex-companheira dizendo que faria 'a maior loucura da vida'. No bairro Cidade Alta, outro homem não gostou de encontrar a ex em uma festa e a pegou pelo braço, exigindo que fosse para casa. Em ambos os casos, as vítimas afirmaram que já sofreram agressões em outras oportunidades.

MEDO - No bairro Brands, uma mulher de 36 anos convive diariamente com medo de que o homem com quem se relaciona há dois anos cumpra as "promessas" que vem fazendo há algum tempo. Na DPPA ela declarou que, no domingo, houve mais um episódio de ameaças. Mãe de seis filhos - nenhum do suspeito -, permitiu que o homem fosse morar com ela há cerca de seis meses. Desde então, segundo disse à Polícia, as ameaças, xingamentos e agressões se acumulam. A vítima já teria pedido várias vezes para que o homem deixasse sua residência, mas além de não acatar a solicitação, ele ainda teria ameaçado atear fogo na casa, matar a companheira, todas as seis crianças e cometer suicídio.

INTERIOR - Já em Linha Grão-Pará, o pai de uma jovem de 26 anos precisou avançar, com um facão, contra o ex-companheiro dela, para evitar as agressões do acusado. De acordo com o boletim de ocorrência, o suspeito foi à casa da vítima e a chamou no portão. Como estão separados há um mês, ela atendeu por achar que seria apenas uma conversa. No entanto, foi apertada pelo pescoço e, quando caiu no chão, agredida várias vezes. Neste momento, o pai pegou um facão para afugentar o homem, que fugiu de carro, mas prometeu voltar com uma turma. A vítima manifestou interesse de ter medidas protetivas urgentes.

 

Fonte: Folha do Mate
Créditos: Carlos Dickow 

voltar para Notícias - Polícia

left show fwB tsN|left tsN fwB|left show tsN fwR|c05||skype_c2c_logo_img|news login uppercase c05 b01 bsd|fsN uppercase c05 fwB sbss|fwR c05 uppercase b01 bsd|login news uppercase b01 bsd fsN tsN fwB c15|tsN fwR uppercase c05|fwR c05 uppercase|content-inner c05||